Primeira entrega regulamentada feita por drone aconteceu nos EUA, no estado da Virginia

4,5kg de equipamentos médicos foram entregues a uma clínica de saúde rural no dia 17 de Julho desse ano

Feito pela startup australiana, Flirtey, de Nevada nos EUA, a entrega foi aprovada pela autoridade de aviação federal em parceria com a NASA. O voo demorou cerca de 3 minutos e carregou 24 pacotes médicos.

O CEO da Flirtey disse que a prova da eficiência de drones na entrega de medicamentos é um passo importante em direção ao futuro destes veículos, que pretendem ser inseridos nas entregas de compras diárias.

 

O teste feito pela empresa mostra que a entrega por VANTs (como são chamados os drones para fins comerciais no Brasil) pode ser muito útil, especialmente em áreas remotas, de difícil acesso. Porém, o tempo de voo e o alcance destes mostram que, no momento, as oportunidades que proporcionam ainda são limitadas.

 

A Amazon, gigante no mercado online, assim como outras empresas, está desenvolvendo tecnologias para que seja possível a entrega de produtos comerciais por meio de VANTs. Porém, a demora nos esclarecimentos das regulamentações, tem atrasado o avanço do processo.

 

As regras nos Estados Unidos estão sob revisão pela FAA, com o intuito de regulamentar o uso de VANTs para entregas comercias. Um dos grandes problemas é o número de drones pessoais, que tem aumentado muito. Quanto maior o número de drones e VANTs, maior o número de preocupações e precauções necessárias para a segurança de todos.

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?t=54&v=XIqFvkBPvjs

O nome drone vem do inglês e quer dizer zumbido, ou zangão. Como a maioria dos drones utiliza hélices para voar, produzindo um zumbido, o nome drone parece bem apropriado.

No Brasil, o nome drone é utilizado para denominar esses objetos voadores que são utilizados como entretenimento. As regras brasileiras para esse tipo de atividade são bem simples. Drones não podem sobrevoar áreas muito povoadas, nem áreas próximas a aeródromos. Além disso, a altura máxima permitida é de 121.92 metros. Não há necessidade de licença.

 

Veículo aéreo não tripulado, VANT, é o termo utilizado para drones que são utilizados para fins comerciais ou experimentos, e que carreguem alguma carga, não necessária para que o voo aconteça. Uma pizza por exemplo. Veja o caso da Vero Verde, pizzaria em Santo André, SP, que fez uma entrega teste com o uso de um VANT. Diferentemente dos drones, VANTs precisam de licença para voarem.

 

RPAs são aeronaves remotamente pilotadas, ou seja, precisam de alguém para controlar o objeto voador. Os RPAs são os únicos VANTs permitidos pela legislação brasileira no momento.

 

Para mais informações sobre o uso dos VANTs/RPAs no Brasil: Circular da Aeronáutica AIC 21/10.

siga-nos

Copyright 2015 bookstrat learning resources - Todos os direitos reservados